terça-feira, 30 de setembro de 2008

Qual o nome da criança?

A resposta pode provocar estranheza e até espanto; mas um nome diferente não significa cruz pela vida afora. Se não virar motivo de orgulho pela originalidade, é só trocar.




Nomenclatura brasileira

Os nomes inventados, trocados e de grafia incomum do clã de
Helena e Francisco Camargo retratam as peculiaridades nacionais

1) Nome: Walter
Era para ser: Water

2) Nome: Maria Lucier
Assina: Luciele

3) Nome: Welington
Grafia: falta um ele

4) Nome: Camilla
Grafia: sobra um ele

5) Nome: Werley
Era para ser: Wesley

6) Nome: Mirosmar
Assina: Zezé

7) Nome: Welson
Assina: Luciano

Francisco e Helena Camargo eram agricultores pobres que queriam o melhor para seus dez filhos. Por isso, capricharam na escolha dos nomes, um ato que costuma ser a mais explícita manifestação das aspirações dos pais. O Brasil inteiro conhece o resto da história, que culmina no sucesso da dupla Zezé Di Camargo & Luciano, de nomes adaptados, digamos, às expectativas de mercado. Tudo começou com o hoje Zezé, 46 anos, originalmente Mirosmar – "Nome do gerente de uma fazenda perto de casa que eu conheci ainda menina e achei bonito, diferente", conta Helena. Depois veio Emival (morto num acidente de carro), que era para ser Mival, "nome de deputado", explica ela. "O Francisco diz que foi erro do cartório, mas acho que foi ele mesmo. Tem nome que ele não dá conta de falar." O sétimo filho se chama Walter, normalíssimo, mas produto de outro engano: "Eu tinha escolhido Water, que era o nome de um médico em Goiânia". Welson, hoje Luciano, 35, foi composto para manter a letra W; Werley, 32, também, só que na forma de Wesley – "O Zezé escolheu, mas na hora de registrar saiu errado". Já a caçula, Maria Lucier, 30, que no original era Luciele ("Uma garota que eu vi cantando na TV") e assim assina na vida artística, aparentemente também foi vítima da pronúncia do pai. Os demais deram sorte: Maria José, Marlene, Emanoel e Welington, 37, que é ex-deputado e se orgulha da boa fortuna (apesar da ausência, inadvertida, do segundo ele): "O meu nome é o mais bonito. Fui privilegiado".

Nomes estranhos, inventados ou que denotam a origem social humilde podem parecer uma cruz a ser carregada por toda a vida – e a mudança da dupla Camargo seria a prova. Mas os especialistas americanos Michael Sherrod e Matthew Rayback, autores do livro significativamente intitulado Bad Baby Names, discordam. Amparados por pesquisas que mediram a reação das pessoas a fotos de detentores de nomes bizarros, bem como por estudos que ligam nome estapafúrdio a família de baixa instrução, Sherrod e Rayback derrubam duas idéias aceitas como senso comum. A primeira é que os pais que dão a criancinhas nomes como Emisleide ou Tierrainney não pensam nas dificuldades que enfrentarão. Na verdade, eles querem que tenham um diferencial na vida ou que carreguem desde cedo uma dose de originalidade na identidade. A segunda é que as crianças sofrem horrores, são hostilizadas pelos coleguinhas, vão mal na escola e, em última instância, podem acabar na cadeia. O fato, dizem, é que a impressão inicial de estranheza é apenas isso – inicial. E a maioria dos contemplados com nomes incomuns tira de letra as piadinhas infames e, com o tempo, passa até a sentir certo orgulho. "Eles se cansam das mesmas brincadeiras, mas adoram ter um nome que os destaca entre os demais", diz Sherrod. A lista de nomes estrambóticos pinçados pelos autores em cartórios dos Estados Unidos inclui: Emma Royd, inócuo separadamente, mas que pronunciado junto vira a palavra "hemorróida" em inglês; Garage Empty (garagem vazia); vários Satans; Post Office (agência de correios); e a impagável seqüência de nomes começando com Ima (tão ingênuo, mas pronunciado em inglês quer dizer "Eu sou um/uma"): Ima Pigg (porco), Ima Muskrat (uma espécie de rato), Ima Hooker (prostituta).

Conviver com um nome estranho pode virar até um fortalecedor de caráter. Maicosuel Reginaldo de Matos, jogador do Palmeiras nascido em Cosmópolis, no interior de São Paulo, era para ser Maxwell ("O cara do cartório não soube escrever e meu pai também se enrolou todo"), mas gosta da forma final. "Sempre tenho de soletrar, e isso é ruim. Mas nunca pensei em trocar. Acho bonito porque é diferente", diz. Não segue os mesmos passos, porém: a filha de 7 meses chamou de Eduarda e, se tiver um menino, vai ser Cauã. A Lei nº 6015, de 31 de dezembro de 1973, estabelece que "os oficiais do Registro Civil não registrarão prenomes suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores", e cada oficial de registro tem suas histórias sobre o assunto. "Uma vez um homem queria que o filho se chamasse Xis, que ele pronunciava em inglês, Équis", lembra Sandra Mara Prado, do cartório de Registro Civil do Butantã, em São Paulo. Valdirene de Jesus, de Belo Horizonte, recorda-se da bebê que ia se chamar Anacitelta, "atleticana de trás para a frente". Nas duas situações, convenceram os pais a mudar de idéia. Trocar legalmente de nome é um procedimento relativamente simples, mas requer advogado e demora em média oito meses. "Dos processos que passaram pela minha mão, 90% são pedidos de alteração para aquisição de cidadania estrangeira", diz Guilherme Dezem, juiz de direito no Fórum João Mendes, em São Paulo. Dos demais 10%, quase todos eram correção de erro de grafia. Existem, claro, as mudanças por puro desconforto com o nome original – a Maria Heroína que virou Maria Heloísa, a Jesusdete que se tornou Elisabeth e a Geronilda que hoje atende por Joyce Diana. Uma antiga empregada justamente de Mirosmar, o Zezé Di Camargo, nasceu Idelícia de Oliveira e até os 28 anos carregou a cruz (sob o apelido Dedé). "Meu nome era sinônimo de gozação", conta. Quando a filha de uma amiga se tornou advogada, sua primeira causa foi apagar Idelícia para sempre. Há doze anos se chama Débora, e está feliz da vida. Já o casal Camargo do clã de prenomes complicados é a própria encarnação de como mudam os conceitos e os modismos. Entre os finos e chiques, os clássicos Francisco e Helena fazem o maior sucesso.

Com reportagem de Carlos Giffoni

Fonte: Veja online

domingo, 28 de setembro de 2008

Amor é fogo que arde sem se ver

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões

sábado, 27 de setembro de 2008

Versinhos

Na minha adolescência andava de moda aquelas agendas cheias de recortes, mensagens, papéis de carta e outras coisas. A gente procurava frases, poesias e versinhos pra copiar na agenda, tudo em letrinha caprichada e colorida. Tem uns versinhos que praticamente todos sabiam e me deparei com alguns que enfeitavam minhas agendas todos os anos. Quase chorei de saudades daquela época...
Levante a mão quem nunca ouviu um desses versinhos:


"Queria ser uma lágrima

para em teus olhos nascer

na sua face correr

e nos seus lábios, morrer"

"De que servem a beleza dos olhos

se eles se fecham quando os lábios se tocam"

"Quando te conheci, senti

apenas amizade, mas nunca

pensei que fosse te amar de verdade!"

"Sei que não me quer

Sei que somos apenas amigos

Mas eu te amo muito e não tenho culpa disso!"

"Se amar fosse pecado

o céu estaria vazio e o inferno lotado!"

"Queria ser uma lágrima

para em teus olhos nascer

na sua face correr

e nos seus lábios, morrer"

"Na vida tudo passa a esquecer,

tudo deixo de lado menos você!"

"Fiquei treiste da vida,

não podia imaginar,

que um dia saberia

que você não soube me amar"

"Amar é...

... ter mar e querer apenas uma gota

... ter o céu e querer apenas uma estrela

... ter o mundo e querer apenas você!!"

"Na vida tudo passa a esquecer,

tudo deixo de lado menos você!"

" Você é o sol e eu sou a lua no eclipse do amor minha boca beija a tua!"

"Jurei te amar, não estou arrependida,

Eu só deixarei de te amar quando

Deus me tirar a vida!"

"No céu escolhi uma estrela

na terra escolhi uma flor

no mundo escolhi você

para ser o meu grande amor!"

"Se eu fosse um anjo

viveria para te guardar

mas como eu sou humano vivo para te amar!"

" Aonde você for eu vou estar contigo sou seu anjo da guarda e você pode contar comigo!!"

"Alegria é olhar pro teu sorriso

E ter você ao meu lado

Alegria é estar junto a você

E poder ser seu namorado!"

"Quando acordo penso em você

Quando durmo sonho com você

Acho que vou enlouquecer!"


Retirado do site: http://anninhario.vilabol.uol.com.br/versinhos.html

Eu nasci pra amar você

Eu não sei por que estou aqui
Há uma chuva de incerteza sobre mim
Eu não sei se dou meu coração
Se me entrego de uma vez nessa paixão
Eu te vejo, mas não sinto o seu toque
Não me beija, por mais que eu te provoque

Claro como o céu no despertar
Lindo como o azul do seu olhar
Forte como o sol no amanhecer
Eu estou aqui pra amar você
Eu nasci pra amar você

Eu não sei por que estou aqui
Basta ver o seu olhar pra desistir
Eu não sei por que insisto assim
Tá na cara, você não nasceu pra mim
Eu te amo sem ter nada de volta
Sou um anjo guardando a sua porta

Claro como o céu no despertar
Lindo como o azul do seu olhar
Forte como o sol no amanhecer
Eu estou aqui pra amar você
Eu nasci pra amar você
I was born to give my love to you!

Artista: Zezé di Camargo & Luciano

Balada do rei das sereias

Balada do rei das sereias

O rei atirou
Seu anel ao mar
E disse às sereias:
- Ide-o lá buscar,
Que se o não trouxerdes
Virareis espuma
Das ondas do mar!

Foram as sereias,
Não tardou, voltaram
Com o perdido anel
Maldito o capricho
De rei tão cruel!

O rei atirou
Grãos de arroz ao mar
E disse às sereias:
- Ide-os lá buscar,
Que se os não trouxerdes
Virareis espuma
Das ondas do mar!

Foram as sereias
Não tardou, voltaram,
Não faltava um grão.
Maldito capricho
De mau coração!

O rei atirou
Sua filha ao mar
E disse às sereias:
- Ide-a lá buscar,
Que se a não trouxerdes
Virareis espuma
Das ondas do mar!

Foram as sereias...
Quem as viu voltar?...
Não voltaram nunca!
Viraram espuma
Das ondas do mar.

(Dorival Caymmi e Manuel Bandeira)

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Meus livros se reproduzem!!!

Constatei recentemente que meus livros têm a capacidade inata de reprodução em massa.
É assim: eu leio um, e aparecem tres!!!
Quando olho minha pilha? PLOFT!!!
Cresceu descompassadamente, inexplicavelmente, rapidamente!!!
Estive estudando teorias a respeito da reprodução de livros e encontrei uma interessante: Quando o livro é bom, ele se reproduz várias vezes (as benditas sagas!!!); quando o livro é ruim nem sempre se reproduz (ainda bem!!!).
Eu olho, olho, olho e a danada da pilha cresce.
E o coitado do meu bolso míngua...rsrsrs

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Sem óculos, homem marca número 'errado' na loteria e ganha US$ 3 milhões

Ele só jogava em datas de aniversário de seus filhos, mas confundiu 48 com 46.
Sortudo pretende pagar dívida da casa, viajar para o Havaí e guardar dinheiro para família.


Parecia azar, mas o fato de ter esquecido seus óculos bifocais naquele dia transformaria a vida do apostentado americano Bobby Guffey. Ele sempre aposta os mesmos cinco números na loteria, representando o aniversário de seus cinco filhos. Mas, no dia 6 de agosto, sem óculos, ele marcou um número errado. E ganhou US$ 3 milhões.
"Minha mulher brincou, disse que valeu a pena ser cego", afirmou Guffey. Em vez de marcar o número 48, ele anotou 46 no boleto. Quando percebeu o erro, ainda voltou e fez outra aposta.

O segundo bilhete fez a quadra e valeu mais US$ 1 mil para o aposentado.

Morador de Roanoke, no estado americano de Indiana, Guffey diz que joga semanalmente na loteria desde 1989. Sortudo, afirma que já ganhou US$ 5 mil em prêmios menores ao longo do tempo.

Depois de levar o prêmio máximo da loteria estadual, Guffey diz que vai usar o dinheiro para pagar a hipoteca de sua casa e investir o resto para o futuro de seus cinco filhos e dez netos. No ano que vem, pretende fazer um cruzeiro até o Havaí com sua mulher, Janell.



É por isso que eu não desisto de jogar na Mega Sena. Um dia eu ainda ganho. Ai sim foi um golpe de sorte e dos bons!!!

Fonte: globo.com

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Liberdade para sonhar

Inglaterra, 1743


O amor mais precioso do mundo...
Patrick Mullen tem vasta experiência com mulheres, mas estava despreparado para conhecer a deslumbrante Camille Bradburn. Culta, rica, inocente e incrivelmente linda, Camille é tudo com que Patrick jamais ousou sonhar, e tudo o que ele sempre desejou...
Criada em meio a títulos, propriedades e uma grande fortuna, Camille parece viver um conto de fadas. Porém, tantos privilégios cobram um preço terrível. E quando conhece Patrick ela compreende, pela primeira vez, que paixão e liberdade são sonhos que podem se realizar. O sentimento profundo que compartilham transcende as normas sociais e os coloca diante de grandes provações. Afinal, algumas pessoas seriam capazes de qualquer coisa para afastá-los, testando a fé de Camille e Patrick nas promessas que fizeram...




Meu comentário:
Liberdade para sonhar conta a história de Camille, uma moça rica que vive num inferno por causa da mãegera. Q mãe mais FDP é essa!!!!!!!!! Essa ganha de longe de todos os vilões que já vi até agora viu!!! Eu tive vontade de entrar no romance e esganar essa nojenta com minhas próprias mãos!!! Ela faz a mocinha (que é filha dela, pasmem!!!) comer o pão q o diabo mandou ela amassar, pq nem o diabo amassaria tão bem!!! Q ódio q eu fiquei da cara dela!!! Akela bruxa!!!!!!!
Bem, Camille e Patrick sofrem horrores o livro inteiro. Eu chorei boa parte do livro. Um romance denso, as vezes revoltante, cheio de situações difíceis, conflitos, intrigas, personagens complexos, uma trama fantástica, muitas cenas fortes, e a melhor vilã q eu já li até hj. O Patrick é um fofo, carinhoso, TDB, que ama Camille desde o inicio. E Camille é uma pobre coitada, vítima da loucura da mãegera e seus comparsas. Tadinha. O romance é espetacular. Pra quem gosta de enredos densos é um prato cheio.

Recomendadíssimo.

'Viciado' em Big Mac comeu 23 mil sanduíches em 36 anos

Don Gorske, de 54 anos, guarda todos os recibos desde 1972.Único dia sem o lanche foi quando sua mãe morreu.


Um homem de 54 diz que um distúrbio obsessivo-compulsivo o levou a comer 23 mil sanduíches Big Mac em 36 anos.
O "vício" de Don Gorske começou em 17 de maio de 1972, quando ele comprou seu primeiro carro. O norte-americano guarda em uma caixa todos os recibos dos lanches consumidos desde então.

Ele diz que sempre foi fascinado por números, e que por isso se sentiu motivado a contabilizar seu consumo.
Ele só ficou sem comer um Big Mac no dia em que sua mãe morreu, atendendo a um pedido dela. Gorske diz que não se importa de ser chamado de louco, e que é apaixonado pelo lanche.
E eu que achava que era viciada em Big Mac. Santa ignorância... rsrsrs
Fonte: globo.com

Cachorro liga para emergência e salva vida de dono nos EUA

Buddy já havia sido treinado para fazer esse tipo de chamada. Cão pressionou uma tecla já programada e telefonou para o 911 .



“Melhor amigo do homem” é pouco para descrever Buddy, um pastor alemão que, ao se lembrar do treinamento que teve, conseguiu salvar uma vida. O cão de Phoenix ligou para o serviço de emergência dos Estados Unidos, o 911, quando seu dono, Joe Stalnaker, passou mal em casa. Na ligação gravada, que foi realizada na quarta-feira (10), o cachorro late e emite uma espécie de choro, depois que um atendente pergunta repetidas vezes se o interlocutor precisa de ajuda. “Olá, aqui é do 911. Você pode me ouvir? Você pode entregar o telefone para alguém?”, questionou a pessoa que atendeu a ligação. A polícia rastreou a chamada e enviou alguns oficiais para a casa de Stalnaker. Quando eles chegaram no local, poucos minutos depois, foi possível ouvir os latidos de Buddy pelo telefone. O sistema da polícia tinha uma indicação de que um cachorro treinado poderia ligar para o serviço de emergência, caso seu dono estivesse impossibilitado.
“É incrível. Mesmo os atendentes veteranos nunca haviam se deparado com uma história como essa”, afirmou o sargento Mark Clark, da polícia de Scottsdale. O dono do cachorro foi levado para o hospital, onde ficou internado por dois dias. Essas crises de Stalnaker, disse a polícia, são conseqüência de um ferimento na cabeça que ele sofreu há dez anos, durante treinamentos militares. Stalnaker adotou Buddy com oito semanas e fez um treinamento para que o animal ligasse para o serviço de emergência, caso seu dono apresentasse sintomas de um ataque epilético. Hoje, com 18 meses, o cachorro consegue pressionar uma tecla programada do telefone para chamar o 911.



Eu bem queria um cachorro assim, ainda mais fofinho como este da foto (o herói).
Fonte: globo.com

domingo, 21 de setembro de 2008

Lady Georgie


Georgie è um mangá japonês de 1983 de Yumiko Igarashi, ambientado no século XIX entre a Austrália e a Inglaterra e conta as aventuras de uma garota à procura de suas origens.
O sucesso do mangá foi tanto que foi até produzido um desenho animado. Ha várias divergências entre o mangá e a série televisiva, que fazem com que o mangá tenha nuances mais adultas. Eu prefiro a versão mangá, por ser muito mais intensa e emocionante. Bom, mas vamos à trama desta história linda que, infelizmente, não chegou ao Brasil.
Georgie é encontrada ainda bebê entre os braços da mãe, numa noite de tempestade, pelo senhor Butman, que acaba adotando a menina a pedido da mãe, a qual está morrendo depois de uma emboscada de soldados ingleses. Baseado neste acontecimento, constrói-se então toda a história de Georgie. Crescida como irmã de sangue dos irmãos Abel e Arthur, Georgie se torna uma linda moça, por dentro e por fora.
Como todo romance de respeito, eis que chega o elemento que irá nublar a paz da família Butman. Georgie encontra e se apaixona a primeira vista por Lowell, jovem nobre inglês, noivo da sobrinha do duque Dangering, Elise. Assim, começa um romance digno de ser publicado pela Nova Cultural como Clássico Histórico. Nossa mocinha, no entanto, atrai a atenção não de um, mas de ambos os "irmãos", os quais sabem toda verdade a respeito do nascimento dela. Os mocinhos chegam a brigar entre si pela atençaõ da coitada que nada entende. Na realidade, ela foge deles e da Australia quando, expulsa de casa pela mãe adotiva (Bruxa nojenta!!!), foge pra Inglaterra pra encontrar a verdadeira família e reencontrar Lowell, que havia ido embora.
Na Inglaterra as coisas não melhoram, pelo contrário, pioram. Georgie reencontra seu amado Lowell (diga-se de passagem, um imbecil) mas a fuga de amor dura tanto quanto temporal de verão: com tuberculose, Lowell está entre a vida e a morte e Georgie, num ato de pura generosidade (eu diria preguiça de cuidar de um doente), deixa o moçoilo nas mãos da noiva, Elise, a única capaz de cuidar dele, por ser rica, desistindo assim de ficar com ele pra sempre. Enquanto isso, Abel também chega na Inglaterra e consegue encontrar Georgie, para pedir ajuda e reencontrar Arthur, que também partiu pra bendita Inglaterra pra avisar q a “mãegera” tinha morrido! Por puro acaso do destino (ou seja, boa vontade da autora) , Georgie reencontra o pai numa das cenas mais lindas deste romance. É ai que termina o desenho animado. Mas o mangá explora muito mais. No mangá, Arthur é seqüestrado por um maníaco que quer desfrutar dos belos encantos do moço, e o mantém prisioneiro, para seu prazer exclusivo, até que a irmãzinha do monstro, apaixonada por ele, ajuda na fuga. Enquanto isso, o drama de Georgie e Abel é maior. Depois de deixar Lowell com Elise, ela se descobre apaixonada pelo lindíssimo irmão e ambos vivem um amor tórrido (ela já havia perdido a “virtude” com Lowell). Numa tentativa de libertar Arthur, Abel é apanhado, preso e executado na frente dela, numa cena tocante, deixando nossa heroína sozinha e grávida. Depois disso, Georgie consegue localizar Arthur e ambos decidem voltar à Austrália pra criar Abel Junior, como marido e mulher. Ou seja, no final ela não fica nem com Lowell, nem com Abel.
Eu não disse que o mangá era muito melhor? E que merecia ser publicado como romance pela Nova Cultural? É um romance muito bonito, os desenhos são, na minha opinião, lindos e é uma série extremamente viciante. Georgie é uma heroína muito cativante, pela sua beleza, ternura e coragem e é impossível esquecer a paixão de Abel e a generosidade de Arthur.

Qual delas é a casada?


Uma professora pergunta a seus alunos: - Se existem cinco passarinhos em um galho e você atira em um,quantos sobram?
- Nenhum - responde Joãozinho - Todos saem voando com o barulho da pistola. A professora fica surpresa com a resposta. - Não era essa a resposta que eu esperava, mas... Eu gosto do seu jeito de pensar.
- Eu posso fazer uma pergunta pra senhora? - pediu Joãozinho. - Pode Joãozinho. - Existem três mulheres sentadas em um banco com picolés. Uma está lambendo, outra está chupando e a terceira está mordendo. Qual delas é a casada?
A professora fica vermelha e responde timidamente: - A que está chupando. - Não, a casada é a que tem aliança no dedo, mas eu gosto do seu jeito de pensar!
É uma questão de ponto de vista...rsrsrs
Texto retirado do blog Meninas Maldosas

Ler



Ler. O que é ler? É passar os olhos pelas letras impressas? É decorar textos pra alguma prova?


Na minha concepção, ler é muito mais amplo. Ler é você se envolver com a história que está sendo contada, ao ponto de ficar com raiva por que o mocinho (ou deveria dizer muitas vezes o idiota?) agiu como um covarde, um verdadeiro vilão e você teve ímpetos homicidas (ah, se eu estivesse ai ao lado dava-lhe uns bofetes!!!); ler é chorar porque o livro está quase acabando e o casal ainda nem se reconciliou, e tudo por causa da megera da mãe dele!!! Ler é mergulhar tão fundo na história, que conseguimos vivenciar cada sentimento, cada emoção dos personagens. E quanto mais talentosa for a autora, mais profundos se tornam os sentimentos na hora de ler.


Por isso, eu amo ler. E leio romances mesmo, aqueles q a gente encontra em bancas de revistas. Adoro romances históricos, preferencialmente medievais, cujo enredo seja denso, envolvente, cheio de intrigas, mistérios, afinal tudo que um enredo precisa pra prender minha atenção.


Histórias de amor românticas que garantem o final feliz.

"E viveram felizes para sempre..."

A resposta pode provocar estranheza e até espanto; mas um nome diferente não significa cruz pela vida afora. Se não virar motivo de orgulho pela originalidade, é só trocar.




Nomenclatura brasileira

Os nomes inventados, trocados e de grafia incomum do clã de
Helena e Francisco Camargo retratam as peculiaridades nacionais

1) Nome: Walter
Era para ser: Water

2) Nome: Maria Lucier
Assina: Luciele

3) Nome: Welington
Grafia: falta um ele

4) Nome: Camilla
Grafia: sobra um ele

5) Nome: Werley
Era para ser: Wesley

6) Nome: Mirosmar
Assina: Zezé

7) Nome: Welson
Assina: Luciano

Francisco e Helena Camargo eram agricultores pobres que queriam o melhor para seus dez filhos. Por isso, capricharam na escolha dos nomes, um ato que costuma ser a mais explícita manifestação das aspirações dos pais. O Brasil inteiro conhece o resto da história, que culmina no sucesso da dupla Zezé Di Camargo & Luciano, de nomes adaptados, digamos, às expectativas de mercado. Tudo começou com o hoje Zezé, 46 anos, originalmente Mirosmar – "Nome do gerente de uma fazenda perto de casa que eu conheci ainda menina e achei bonito, diferente", conta Helena. Depois veio Emival (morto num acidente de carro), que era para ser Mival, "nome de deputado", explica ela. "O Francisco diz que foi erro do cartório, mas acho que foi ele mesmo. Tem nome que ele não dá conta de falar." O sétimo filho se chama Walter, normalíssimo, mas produto de outro engano: "Eu tinha escolhido Water, que era o nome de um médico em Goiânia". Welson, hoje Luciano, 35, foi composto para manter a letra W; Werley, 32, também, só que na forma de Wesley – "O Zezé escolheu, mas na hora de registrar saiu errado". Já a caçula, Maria Lucier, 30, que no original era Luciele ("Uma garota que eu vi cantando na TV") e assim assina na vida artística, aparentemente também foi vítima da pronúncia do pai. Os demais deram sorte: Maria José, Marlene, Emanoel e Welington, 37, que é ex-deputado e se orgulha da boa fortuna (apesar da ausência, inadvertida, do segundo ele): "O meu nome é o mais bonito. Fui privilegiado".

Nomes estranhos, inventados ou que denotam a origem social humilde podem parecer uma cruz a ser carregada por toda a vida – e a mudança da dupla Camargo seria a prova. Mas os especialistas americanos Michael Sherrod e Matthew Rayback, autores do livro significativamente intitulado Bad Baby Names, discordam. Amparados por pesquisas que mediram a reação das pessoas a fotos de detentores de nomes bizarros, bem como por estudos que ligam nome estapafúrdio a família de baixa instrução, Sherrod e Rayback derrubam duas idéias aceitas como senso comum. A primeira é que os pais que dão a criancinhas nomes como Emisleide ou Tierrainney não pensam nas dificuldades que enfrentarão. Na verdade, eles querem que tenham um diferencial na vida ou que carreguem desde cedo uma dose de originalidade na identidade. A segunda é que as crianças sofrem horrores, são hostilizadas pelos coleguinhas, vão mal na escola e, em última instância, podem acabar na cadeia. O fato, dizem, é que a impressão inicial de estranheza é apenas isso – inicial. E a maioria dos contemplados com nomes incomuns tira de letra as piadinhas infames e, com o tempo, passa até a sentir certo orgulho. "Eles se cansam das mesmas brincadeiras, mas adoram ter um nome que os destaca entre os demais", diz Sherrod. A lista de nomes estrambóticos pinçados pelos autores em cartórios dos Estados Unidos inclui: Emma Royd, inócuo separadamente, mas que pronunciado junto vira a palavra "hemorróida" em inglês; Garage Empty (garagem vazia); vários Satans; Post Office (agência de correios); e a impagável seqüência de nomes começando com Ima (tão ingênuo, mas pronunciado em inglês quer dizer "Eu sou um/uma"): Ima Pigg (porco), Ima Muskrat (uma espécie de rato), Ima Hooker (prostituta).

Conviver com um nome estranho pode virar até um fortalecedor de caráter. Maicosuel Reginaldo de Matos, jogador do Palmeiras nascido em Cosmópolis, no interior de São Paulo, era para ser Maxwell ("O cara do cartório não soube escrever e meu pai também se enrolou todo"), mas gosta da forma final. "Sempre tenho de soletrar, e isso é ruim. Mas nunca pensei em trocar. Acho bonito porque é diferente", diz. Não segue os mesmos passos, porém: a filha de 7 meses chamou de Eduarda e, se tiver um menino, vai ser Cauã. A Lei nº 6015, de 31 de dezembro de 1973, estabelece que "os oficiais do Registro Civil não registrarão prenomes suscetíveis de expor ao ridículo os seus portadores", e cada oficial de registro tem suas histórias sobre o assunto. "Uma vez um homem queria que o filho se chamasse Xis, que ele pronunciava em inglês, Équis", lembra Sandra Mara Prado, do cartório de Registro Civil do Butantã, em São Paulo. Valdirene de Jesus, de Belo Horizonte, recorda-se da bebê que ia se chamar Anacitelta, "atleticana de trás para a frente". Nas duas situações, convenceram os pais a mudar de idéia. Trocar legalmente de nome é um procedimento relativamente simples, mas requer advogado e demora em média oito meses. "Dos processos que passaram pela minha mão, 90% são pedidos de alteração para aquisição de cidadania estrangeira", diz Guilherme Dezem, juiz de direito no Fórum João Mendes, em São Paulo. Dos demais 10%, quase todos eram correção de erro de grafia. Existem, claro, as mudanças por puro desconforto com o nome original – a Maria Heroína que virou Maria Heloísa, a Jesusdete que se tornou Elisabeth e a Geronilda que hoje atende por Joyce Diana. Uma antiga empregada justamente de Mirosmar, o Zezé Di Camargo, nasceu Idelícia de Oliveira e até os 28 anos carregou a cruz (sob o apelido Dedé). "Meu nome era sinônimo de gozação", conta. Quando a filha de uma amiga se tornou advogada, sua primeira causa foi apagar Idelícia para sempre. Há doze anos se chama Débora, e está feliz da vida. Já o casal Camargo do clã de prenomes complicados é a própria encarnação de como mudam os conceitos e os modismos. Entre os finos e chiques, os clássicos Francisco e Helena fazem o maior sucesso.

Com reportagem de Carlos Giffoni

Fonte: Veja online
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luís de Camões

Na minha adolescência andava de moda aquelas agendas cheias de recortes, mensagens, papéis de carta e outras coisas. A gente procurava frases, poesias e versinhos pra copiar na agenda, tudo em letrinha caprichada e colorida. Tem uns versinhos que praticamente todos sabiam e me deparei com alguns que enfeitavam minhas agendas todos os anos. Quase chorei de saudades daquela época...
Levante a mão quem nunca ouviu um desses versinhos:


"Queria ser uma lágrima

para em teus olhos nascer

na sua face correr

e nos seus lábios, morrer"

"De que servem a beleza dos olhos

se eles se fecham quando os lábios se tocam"

"Quando te conheci, senti

apenas amizade, mas nunca

pensei que fosse te amar de verdade!"

"Sei que não me quer

Sei que somos apenas amigos

Mas eu te amo muito e não tenho culpa disso!"

"Se amar fosse pecado

o céu estaria vazio e o inferno lotado!"

"Queria ser uma lágrima

para em teus olhos nascer

na sua face correr

e nos seus lábios, morrer"

"Na vida tudo passa a esquecer,

tudo deixo de lado menos você!"

"Fiquei treiste da vida,

não podia imaginar,

que um dia saberia

que você não soube me amar"

"Amar é...

... ter mar e querer apenas uma gota

... ter o céu e querer apenas uma estrela

... ter o mundo e querer apenas você!!"

"Na vida tudo passa a esquecer,

tudo deixo de lado menos você!"

" Você é o sol e eu sou a lua no eclipse do amor minha boca beija a tua!"

"Jurei te amar, não estou arrependida,

Eu só deixarei de te amar quando

Deus me tirar a vida!"

"No céu escolhi uma estrela

na terra escolhi uma flor

no mundo escolhi você

para ser o meu grande amor!"

"Se eu fosse um anjo

viveria para te guardar

mas como eu sou humano vivo para te amar!"

" Aonde você for eu vou estar contigo sou seu anjo da guarda e você pode contar comigo!!"

"Alegria é olhar pro teu sorriso

E ter você ao meu lado

Alegria é estar junto a você

E poder ser seu namorado!"

"Quando acordo penso em você

Quando durmo sonho com você

Acho que vou enlouquecer!"


Retirado do site: http://anninhario.vilabol.uol.com.br/versinhos.html

Eu não sei por que estou aqui
Há uma chuva de incerteza sobre mim
Eu não sei se dou meu coração
Se me entrego de uma vez nessa paixão
Eu te vejo, mas não sinto o seu toque
Não me beija, por mais que eu te provoque

Claro como o céu no despertar
Lindo como o azul do seu olhar
Forte como o sol no amanhecer
Eu estou aqui pra amar você
Eu nasci pra amar você

Eu não sei por que estou aqui
Basta ver o seu olhar pra desistir
Eu não sei por que insisto assim
Tá na cara, você não nasceu pra mim
Eu te amo sem ter nada de volta
Sou um anjo guardando a sua porta

Claro como o céu no despertar
Lindo como o azul do seu olhar
Forte como o sol no amanhecer
Eu estou aqui pra amar você
Eu nasci pra amar você
I was born to give my love to you!

Artista: Zezé di Camargo & Luciano

Balada do rei das sereias

O rei atirou
Seu anel ao mar
E disse às sereias:
- Ide-o lá buscar,
Que se o não trouxerdes
Virareis espuma
Das ondas do mar!

Foram as sereias,
Não tardou, voltaram
Com o perdido anel
Maldito o capricho
De rei tão cruel!

O rei atirou
Grãos de arroz ao mar
E disse às sereias:
- Ide-os lá buscar,
Que se os não trouxerdes
Virareis espuma
Das ondas do mar!

Foram as sereias
Não tardou, voltaram,
Não faltava um grão.
Maldito capricho
De mau coração!

O rei atirou
Sua filha ao mar
E disse às sereias:
- Ide-a lá buscar,
Que se a não trouxerdes
Virareis espuma
Das ondas do mar!

Foram as sereias...
Quem as viu voltar?...
Não voltaram nunca!
Viraram espuma
Das ondas do mar.

(Dorival Caymmi e Manuel Bandeira)

Constatei recentemente que meus livros têm a capacidade inata de reprodução em massa.
É assim: eu leio um, e aparecem tres!!!
Quando olho minha pilha? PLOFT!!!
Cresceu descompassadamente, inexplicavelmente, rapidamente!!!
Estive estudando teorias a respeito da reprodução de livros e encontrei uma interessante: Quando o livro é bom, ele se reproduz várias vezes (as benditas sagas!!!); quando o livro é ruim nem sempre se reproduz (ainda bem!!!).
Eu olho, olho, olho e a danada da pilha cresce.
E o coitado do meu bolso míngua...rsrsrs

Ele só jogava em datas de aniversário de seus filhos, mas confundiu 48 com 46.
Sortudo pretende pagar dívida da casa, viajar para o Havaí e guardar dinheiro para família.


Parecia azar, mas o fato de ter esquecido seus óculos bifocais naquele dia transformaria a vida do apostentado americano Bobby Guffey. Ele sempre aposta os mesmos cinco números na loteria, representando o aniversário de seus cinco filhos. Mas, no dia 6 de agosto, sem óculos, ele marcou um número errado. E ganhou US$ 3 milhões.
"Minha mulher brincou, disse que valeu a pena ser cego", afirmou Guffey. Em vez de marcar o número 48, ele anotou 46 no boleto. Quando percebeu o erro, ainda voltou e fez outra aposta.

O segundo bilhete fez a quadra e valeu mais US$ 1 mil para o aposentado.

Morador de Roanoke, no estado americano de Indiana, Guffey diz que joga semanalmente na loteria desde 1989. Sortudo, afirma que já ganhou US$ 5 mil em prêmios menores ao longo do tempo.

Depois de levar o prêmio máximo da loteria estadual, Guffey diz que vai usar o dinheiro para pagar a hipoteca de sua casa e investir o resto para o futuro de seus cinco filhos e dez netos. No ano que vem, pretende fazer um cruzeiro até o Havaí com sua mulher, Janell.



É por isso que eu não desisto de jogar na Mega Sena. Um dia eu ainda ganho. Ai sim foi um golpe de sorte e dos bons!!!

Fonte: globo.com

Inglaterra, 1743


O amor mais precioso do mundo...
Patrick Mullen tem vasta experiência com mulheres, mas estava despreparado para conhecer a deslumbrante Camille Bradburn. Culta, rica, inocente e incrivelmente linda, Camille é tudo com que Patrick jamais ousou sonhar, e tudo o que ele sempre desejou...
Criada em meio a títulos, propriedades e uma grande fortuna, Camille parece viver um conto de fadas. Porém, tantos privilégios cobram um preço terrível. E quando conhece Patrick ela compreende, pela primeira vez, que paixão e liberdade são sonhos que podem se realizar. O sentimento profundo que compartilham transcende as normas sociais e os coloca diante de grandes provações. Afinal, algumas pessoas seriam capazes de qualquer coisa para afastá-los, testando a fé de Camille e Patrick nas promessas que fizeram...




Meu comentário:
Liberdade para sonhar conta a história de Camille, uma moça rica que vive num inferno por causa da mãegera. Q mãe mais FDP é essa!!!!!!!!! Essa ganha de longe de todos os vilões que já vi até agora viu!!! Eu tive vontade de entrar no romance e esganar essa nojenta com minhas próprias mãos!!! Ela faz a mocinha (que é filha dela, pasmem!!!) comer o pão q o diabo mandou ela amassar, pq nem o diabo amassaria tão bem!!! Q ódio q eu fiquei da cara dela!!! Akela bruxa!!!!!!!
Bem, Camille e Patrick sofrem horrores o livro inteiro. Eu chorei boa parte do livro. Um romance denso, as vezes revoltante, cheio de situações difíceis, conflitos, intrigas, personagens complexos, uma trama fantástica, muitas cenas fortes, e a melhor vilã q eu já li até hj. O Patrick é um fofo, carinhoso, TDB, que ama Camille desde o inicio. E Camille é uma pobre coitada, vítima da loucura da mãegera e seus comparsas. Tadinha. O romance é espetacular. Pra quem gosta de enredos densos é um prato cheio.

Recomendadíssimo.
Don Gorske, de 54 anos, guarda todos os recibos desde 1972.Único dia sem o lanche foi quando sua mãe morreu.


Um homem de 54 diz que um distúrbio obsessivo-compulsivo o levou a comer 23 mil sanduíches Big Mac em 36 anos.
O "vício" de Don Gorske começou em 17 de maio de 1972, quando ele comprou seu primeiro carro. O norte-americano guarda em uma caixa todos os recibos dos lanches consumidos desde então.

Ele diz que sempre foi fascinado por números, e que por isso se sentiu motivado a contabilizar seu consumo.
Ele só ficou sem comer um Big Mac no dia em que sua mãe morreu, atendendo a um pedido dela. Gorske diz que não se importa de ser chamado de louco, e que é apaixonado pelo lanche.
E eu que achava que era viciada em Big Mac. Santa ignorância... rsrsrs
Fonte: globo.com
Buddy já havia sido treinado para fazer esse tipo de chamada. Cão pressionou uma tecla já programada e telefonou para o 911 .



“Melhor amigo do homem” é pouco para descrever Buddy, um pastor alemão que, ao se lembrar do treinamento que teve, conseguiu salvar uma vida. O cão de Phoenix ligou para o serviço de emergência dos Estados Unidos, o 911, quando seu dono, Joe Stalnaker, passou mal em casa. Na ligação gravada, que foi realizada na quarta-feira (10), o cachorro late e emite uma espécie de choro, depois que um atendente pergunta repetidas vezes se o interlocutor precisa de ajuda. “Olá, aqui é do 911. Você pode me ouvir? Você pode entregar o telefone para alguém?”, questionou a pessoa que atendeu a ligação. A polícia rastreou a chamada e enviou alguns oficiais para a casa de Stalnaker. Quando eles chegaram no local, poucos minutos depois, foi possível ouvir os latidos de Buddy pelo telefone. O sistema da polícia tinha uma indicação de que um cachorro treinado poderia ligar para o serviço de emergência, caso seu dono estivesse impossibilitado.
“É incrível. Mesmo os atendentes veteranos nunca haviam se deparado com uma história como essa”, afirmou o sargento Mark Clark, da polícia de Scottsdale. O dono do cachorro foi levado para o hospital, onde ficou internado por dois dias. Essas crises de Stalnaker, disse a polícia, são conseqüência de um ferimento na cabeça que ele sofreu há dez anos, durante treinamentos militares. Stalnaker adotou Buddy com oito semanas e fez um treinamento para que o animal ligasse para o serviço de emergência, caso seu dono apresentasse sintomas de um ataque epilético. Hoje, com 18 meses, o cachorro consegue pressionar uma tecla programada do telefone para chamar o 911.



Eu bem queria um cachorro assim, ainda mais fofinho como este da foto (o herói).
Fonte: globo.com

Georgie è um mangá japonês de 1983 de Yumiko Igarashi, ambientado no século XIX entre a Austrália e a Inglaterra e conta as aventuras de uma garota à procura de suas origens.
O sucesso do mangá foi tanto que foi até produzido um desenho animado. Ha várias divergências entre o mangá e a série televisiva, que fazem com que o mangá tenha nuances mais adultas. Eu prefiro a versão mangá, por ser muito mais intensa e emocionante. Bom, mas vamos à trama desta história linda que, infelizmente, não chegou ao Brasil.
Georgie é encontrada ainda bebê entre os braços da mãe, numa noite de tempestade, pelo senhor Butman, que acaba adotando a menina a pedido da mãe, a qual está morrendo depois de uma emboscada de soldados ingleses. Baseado neste acontecimento, constrói-se então toda a história de Georgie. Crescida como irmã de sangue dos irmãos Abel e Arthur, Georgie se torna uma linda moça, por dentro e por fora.
Como todo romance de respeito, eis que chega o elemento que irá nublar a paz da família Butman. Georgie encontra e se apaixona a primeira vista por Lowell, jovem nobre inglês, noivo da sobrinha do duque Dangering, Elise. Assim, começa um romance digno de ser publicado pela Nova Cultural como Clássico Histórico. Nossa mocinha, no entanto, atrai a atenção não de um, mas de ambos os "irmãos", os quais sabem toda verdade a respeito do nascimento dela. Os mocinhos chegam a brigar entre si pela atençaõ da coitada que nada entende. Na realidade, ela foge deles e da Australia quando, expulsa de casa pela mãe adotiva (Bruxa nojenta!!!), foge pra Inglaterra pra encontrar a verdadeira família e reencontrar Lowell, que havia ido embora.
Na Inglaterra as coisas não melhoram, pelo contrário, pioram. Georgie reencontra seu amado Lowell (diga-se de passagem, um imbecil) mas a fuga de amor dura tanto quanto temporal de verão: com tuberculose, Lowell está entre a vida e a morte e Georgie, num ato de pura generosidade (eu diria preguiça de cuidar de um doente), deixa o moçoilo nas mãos da noiva, Elise, a única capaz de cuidar dele, por ser rica, desistindo assim de ficar com ele pra sempre. Enquanto isso, Abel também chega na Inglaterra e consegue encontrar Georgie, para pedir ajuda e reencontrar Arthur, que também partiu pra bendita Inglaterra pra avisar q a “mãegera” tinha morrido! Por puro acaso do destino (ou seja, boa vontade da autora) , Georgie reencontra o pai numa das cenas mais lindas deste romance. É ai que termina o desenho animado. Mas o mangá explora muito mais. No mangá, Arthur é seqüestrado por um maníaco que quer desfrutar dos belos encantos do moço, e o mantém prisioneiro, para seu prazer exclusivo, até que a irmãzinha do monstro, apaixonada por ele, ajuda na fuga. Enquanto isso, o drama de Georgie e Abel é maior. Depois de deixar Lowell com Elise, ela se descobre apaixonada pelo lindíssimo irmão e ambos vivem um amor tórrido (ela já havia perdido a “virtude” com Lowell). Numa tentativa de libertar Arthur, Abel é apanhado, preso e executado na frente dela, numa cena tocante, deixando nossa heroína sozinha e grávida. Depois disso, Georgie consegue localizar Arthur e ambos decidem voltar à Austrália pra criar Abel Junior, como marido e mulher. Ou seja, no final ela não fica nem com Lowell, nem com Abel.
Eu não disse que o mangá era muito melhor? E que merecia ser publicado como romance pela Nova Cultural? É um romance muito bonito, os desenhos são, na minha opinião, lindos e é uma série extremamente viciante. Georgie é uma heroína muito cativante, pela sua beleza, ternura e coragem e é impossível esquecer a paixão de Abel e a generosidade de Arthur.

Uma professora pergunta a seus alunos: - Se existem cinco passarinhos em um galho e você atira em um,quantos sobram?
- Nenhum - responde Joãozinho - Todos saem voando com o barulho da pistola. A professora fica surpresa com a resposta. - Não era essa a resposta que eu esperava, mas... Eu gosto do seu jeito de pensar.
- Eu posso fazer uma pergunta pra senhora? - pediu Joãozinho. - Pode Joãozinho. - Existem três mulheres sentadas em um banco com picolés. Uma está lambendo, outra está chupando e a terceira está mordendo. Qual delas é a casada?
A professora fica vermelha e responde timidamente: - A que está chupando. - Não, a casada é a que tem aliança no dedo, mas eu gosto do seu jeito de pensar!
É uma questão de ponto de vista...rsrsrs
Texto retirado do blog Meninas Maldosas

Ler



Ler. O que é ler? É passar os olhos pelas letras impressas? É decorar textos pra alguma prova?


Na minha concepção, ler é muito mais amplo. Ler é você se envolver com a história que está sendo contada, ao ponto de ficar com raiva por que o mocinho (ou deveria dizer muitas vezes o idiota?) agiu como um covarde, um verdadeiro vilão e você teve ímpetos homicidas (ah, se eu estivesse ai ao lado dava-lhe uns bofetes!!!); ler é chorar porque o livro está quase acabando e o casal ainda nem se reconciliou, e tudo por causa da megera da mãe dele!!! Ler é mergulhar tão fundo na história, que conseguimos vivenciar cada sentimento, cada emoção dos personagens. E quanto mais talentosa for a autora, mais profundos se tornam os sentimentos na hora de ler.


Por isso, eu amo ler. E leio romances mesmo, aqueles q a gente encontra em bancas de revistas. Adoro romances históricos, preferencialmente medievais, cujo enredo seja denso, envolvente, cheio de intrigas, mistérios, afinal tudo que um enredo precisa pra prender minha atenção.


Histórias de amor românticas que garantem o final feliz.

"E viveram felizes para sempre..."